Arquivo

Aulas/Seminários

MV5BMzUyNTc2NzQtMDZlNC00ZDZjLWI1NTgtZTFlODBkYWJiNzIwL2ltYWdlL2ltYWdlXkEyXkFqcGdeQXVyMjYxMzY2NDk@._V1_Na próxima terça-feira, às 14h00, dou uma aula por videoconferência na cadeira de Cultura Japonesa Contemporânea, ministrada pelo Professor David Pinho Barros, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Esta aula vai debruçar-se sobre o cinema experimental de Takashi Ito, cruzando-o com filmes de Toshio Matsumoto, Michael Snow, Ernie Gehr e Alexandre Alagôa: “Configurações do espaço e do tempo no cinema de Takashi Ito”.

Todas as informações aqui.

 

Anúncios

5.EveHoje tenho o prazer de substituir a Professora Margarida Medeiros na aula do seminário de mestrado Fotografia e Cinema, às 18h00, na sala 10, piso 3, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. A aula tem o título “Fotografia e a ‘Coincidência Cinema'”.

Na imagem, Eve (From Big Valley) (2008) de Alex Prager.

Abaixo publico o programa da cadeira de História da Fotografia que irei leccionar no âmbito do Curso Profissional de Fotografia do Instituto Português de Fotografia (IPF) a partir do próximo dia 4 de Abril até ao dia 27 de Junho (12 aulas), em regime pós-laboral.

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA

CURSO PROFISSIONAL DO INSTITUTO PORTUGUÊS DE FOTOGRAFIA – ÁREA DE FORMAÇÃO GERAL

process2_largePoint de vue du Gras (1826 ou 27) de Joseph Nicéphore Niépce

PROGRAMA

  1. Apresentação
  2. A fotografia como ideia: da caverna de Platão como camera obscura
  3. Pioneiros (I): o caso Niépce-Daguerre
  4. Pioneiros (II): Talbot, Bayard e a fotografia em papel
  5. Pioneiros (III): a cronofotografia de Marey e Muybridge
  6. A fotografia como registo e como arte: Baudelaire e Benjamin
  7. O fotógrafo-artista do século XIX: Nadar, David Octavius Hill e Eugène Atget
  8. Fotografia amadora: a geração Kodak e o caso Lartigue
  9. A loucura por câmeras: câmeras estereoscópicas, câmeras-revólver, câmeras-livro, câmeras-relógio
  10. Stieglitz e a Camera Work: do pictorialismo à fotografia straight
  11. A fotografia social de Lewis Hine e a Photo League
  12. Fotografia e reportagem: Jacob Riis e Weegee
  13. Vanguardas: o surrealismo, o construtivismo e a escola Bauhaus
  14. A fotografia de rua: Robert Frank, William Klein e Daido Moriyama
  15. A Magnum à conquista do mundo: Robert Capa e Henri Cartier-Bresson
  16. Nova Objectividade e a Escola de Düsseldorf
  17. Os mestres da cor: Saul Leiter e William Eggleston
  18. Fotografia do íntimo: Larry Clark e Nan Goldin
  19. A pós-fotografia e a fotografia conceptual: Jeff Wall e Sophie Calle
  20. Pequena história da fotografia em Portugal

Googlegram-e1352171447857Googlegram: Niépce (2005) de Joan Fontcuberta

BIBLIOGRAFIA GERAL

Amar, Pierre-Jean. 2018. História da Fotografia. Lisboa: Edições 70.
Freund, Gisèle. (1974) 2010. Fotografia e Sociedade. Vega: Lisboa.
Hacking, Juliet (ed.). 2012. Photography: The Whole Story. Londres: Thames & Hudson.
Newhall, Beaumont. 1993. The History of Photography. Nova Iorque: The Museum of Modern Art.
Pritchard, Michael. 2014. A History of Photography in 50 Cameras. Londres e Nova Iorque: Bloomsbury.
Silverman, Kaja. 2015. The Miracle of Analogy or The History of Photography, Part 1. Stanford, Califórnia: Stanford University Press.

BIBLIOGRAFIA ESPECÍFICA

Batchen, Geoffrey. 2008. William Henry Fox Talbot. Nova Iorque: Phaidon.
Bergala, Alain. 1995. Magnum Cinema: des histoires de cinéma par les photographes de magnum. Paris: Cahiers du cinéma.
Braun, Marta. 1995. Picturing Time: The Work of Etienne-Jules Marey (1830-1904). Chicago: The University of Chicago Press.
Gibson, David. 2014. The Street Photographer’s Manual. Londres: Thames and Hudson Ltd.
Goldberg, Vicki (ed.). 1998. Jacques Henri Lartigue, Photographer. Londres: Thames and Hudson Ltd.
Mah, Sérgio. 2003. A fotografia e o privilégio de um olhar moderno. Lisboa: Edições Colibri.
Hambourg, Maria Morris et al. 1995. Nadar. Nova Iorque: The Metropolitan Museum of Art.
Krauss, Rosalind e Jane Livingston. 1985. Amour fou: photography & surrealism. Nova Iorque e Londres: Abbeville Press, Publishers.
Medeiros, Margarida. 2000. Fotografia e Narcisismo: O Auto-Retrato Contemporâneo. Lisboa: Assírio & Alvim.
Medeiros, Margarida. 2010. Fotografia e Verdade: uma história de fantasmas. Lisboa: Assírio & Alvim.
Mendonça, Luís. 2017. Fotografia e Cinema Moderno: Os Cineastas Amadores do Pós-guerra. Lisboa: Edições Colibri.
Niépce, Isidore e Victor Fouque. 1987. Joseph Nicéphore Niépce: Sa Vie, Ses Essais, Ses Travaux. Paris: Jean-Michel Place.
Sena, António. 1998. História da Imagem Fotográfica em Portugal – 1839-1997. Porto: Porto Editora.
Sontag, Susan. (1977) 1986. Ensaios sobre Fotografia. Lisboa: Publicações Dom Quixote.
Trachtenberg, Alan (org.). 2013. Ensaios sobre Fotografia: De Niépce a Krauss. Lisboa: Orfeu Negro.

SÉRIES/DOCUMENTÁRIOS

Delpire, Robert et al. 1988-2000. Contacts. A partir de uma ideia de William Klein. Paris: Arte France.
Kirby, Tim. 2009. The Genius of Photography. Londres: BBC.
Mah, Sérgio. 2014. Entre Imagens. Lisboa: Framed Films.
Neuman, Stan et al. 2013. Photo, l’histoire des grands mouvements photographiques. Paris: Arte Éditions.
Príncipe, André e Marco Martins. 2010. Traces of a Diary. Lisboa: Midas Filmes/Filmes do Tejo II.
Sena, António e Margarida Gil. 1982. Olho de Vidro: Uma História da Fotografia. Lisboa: RTP2. Disponível em: arquivos.rtp.pt

13846Hoje, às 18h00, na sala T9, Torre B, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, dou aula, a convite da Professora Margarida Medeiros, no âmbito do seminário de mestrado Cinema e Fotografia.

O título da aula é “Fotografia e Cinema Moderno: Casos de Intercâmbio entre a Fotografia e o Cinema”. Este é o sumário:

  1. Propósitos do “espaço entre”
  2. O olhar cândido da cidade em Engel, Orkin e Levitt ou a invenção do cinema de autor
  3. Weegee, ‘the (in)famous’: da fotografia do crime ao olhar gasoso ‘underground’
  4. Magnum, “fotografia de autor” algures entre o cinema
  5. As outras faces da fotografia de cena na era da pós-fotografia

nox1_red.jpgNo próximo dia 27 de Junho (terça-feira), na Culturgest, na sala 2, entre as 12h30 e as 14h30, dou uma aula sobre a obra do fotógrafo Jorge Molder associada à exposição aí patente O Fotógrafo Acidental (curadoria de Delfim Sardo). Entrada a 3 euros (dá direito a visita à exposição).

Esta é uma organização a cargo de Bruno Marques do Instituto de História da Arte, cluster Photography and Film Studies, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (FCSH/NOVA).

Nesta aula, intitulada “Jorge Molder: aparições do eu e do outro”, serão abordados os seguintes assuntos: o âmbito da fotografia do eu, o auto-retrato e a auto-representação, o duplo, a presença fantasmática da Hollywood clássica e a fotografia como ruína.

Reproduzo abaixo a sinopse da aula:

As “figuras de espanto” desta apresentação constam da obra fotográfica de Jorge Molder, em especial, daquele seu lugar onde ganha relevo a dimensão especular e obsessiva da arte do autorretrato. Em Molder acederemos a esse recanto, escuro e aventuroso, onde “Narciso se encontra com Medusa” (Margarida Medeiros, in Fotografia e Narcisismo, p. 109). As fotografias de Molder exercem esta violência: instanciam, na sua “ação”, simultaneamente a presença de um rosto e a figuração de uma personagem que, como escreveu Delfim Sardo em Jorge Molder: O Espelho Duplo (p. 5), sinaliza “áreas de ficção que se relacionam com referências literárias, cinematográficas e artísticas, ou mesmo quotidianas”. O que cita o rosto monumental de Jorge Molder senão a possibilidade de se ser outro na afirmação de si? Nuno Faria (in Jorge Molder: Comportamento Animal, pp. 12 e 13) tornou eloquente a tensão – o jogo? – que aqui se encarna – se encena? Os não-auto-retratos de Molder são trabalhos sobre a “presença enquanto alteridade”. O “eu que é um outro” mergulhado no banho de luz e sombra que faz da vida representação, interpretação, encenação, cinema. Subsidiariamente, e face às fotografias patentes na exposição O Fotógrafo Acidental, especular-se-á sobre o modo como o olhar de Molder mudava quando a sua câmara se virava para uma realidade que não a do seu rosto.

Toda a informação aqui.